Pineapple

Leandro by bike

Gaúcho de Porto Alegre, Leandro Martins é um entusiasta do cicloturismo. Após anos vivendo na Holanda, o país das bicicletas, em 2013 ele partiu em uma viagem de um ano pelo mundo. Foram 14.000 km pedalados por 18 países. Durante esta viagem, ele sempre experimentou a gentileza de estranhos - uma vasta rede de apoio sempre presente - e teve a oportunidade de conhecer e expandir sua paixão por diferentes culturas. Essa aventura chegou ao fim na China, onde Leandro trocou a estrada pela sala de aula. Desde então, ele ensina inglês para crianças em Xangai.

A viagem de Leandro pelo mundo foi uma experiência única: "Mais íntimo do que dirigir e mais rápido do que caminhar, andar de bicicleta é uma das melhores maneiras de viajar, pois você se sente mais parte da paisagem e da vida local"

Durante essa aventura de orçamento quase zero, Leandro nunca pagou por acomodação. Na maior parte do tempo usou a sua barraca como seu próprio hotel; dormiu em igrejas, templos, escolas, delegacias de polícia, postos de gasolina ou nas casas de generosos habitantes locais, que sempre estavam lá para ajudar e oferecer sua gentileza.

Entre as fantásticas pessoas que Leandro conheceu ao longo deste um ano na estrada, um encontro se tornou um dos mais memoráveis ​​de sua vida: o com o Papa Francisco no Vaticano. Durante cerca de uma hora, eles contaram histórias em espanhol, falaram de suas famílias, de futebol e Leandro mostrou a ele sua bicicleta. “Eu disse: esta é minha casa, minha cama e minha cozinha.” Como todos os demais que Leandro veio a conhecer durante a viagem, o Papa foi convidado a deixar uma mensagem em sua bandeira brasileira, onde escreveu: “Que Dios te acompañe, Francisco - 18-7-13".

Quando Leandro colocou o capacete de volta e montou na bicicleta, as últimas palavras do Papa ficaram com ele e se tornaram como que um lema pessoal: "A vida é louca".

Ao longo de sua viagem, Leandro sempre visitou escolas, onde gostava de compartilhar suas histórias com os alunos e fazê-los ver o mundo pelos seus olhos. Quando chegou a Xangai, recebeu um convite para trabalhar como professor de jardim de infância e aceitou prontamente: “Como poderia dizer não? Eu sou uma "criança grande" e a ideia de morar na China e poder aprender e explorar essa cultura incrível me fascinou”.

Agora, o ciclista-professor está se preparando para viver mais um capítulo desta vida louca: sua expedição de bicicleta à Antártica, que por meio de ligações semanais será compartilhada com seus alunos em Xangai.